Objetivos > A Revisão Científica > Efeitos Biológicos > Estudos Experimentais em Humanos

Estudos Experimentais em Humanos


Estudos de provocação humanos têm investigado principalmente possíveis efeitos sobre o sistema nervoso, incluindo muitas respostas cognitivas e comportamentais, em resposta ao baixo nível de campos RF emitidos por telefones móveis perto de crianças, bem como em adultos. é agora geralmente aceito que não existem efeitos significativos do uso de telefone celular ou de proximidade razoável a antenas irradiantes das estações rádio base. Outros efeitos investigados sobre a dor, visão, audição e da função vestibular, bem como sobre os sistemas endócrino e cardiovascular, foram majoritariamente negativas. Paladar e olfato não foram estudados, até agora. Mesmo nos estudos que relataram um efeito leve, estes não foram considerados como prejudiciais à saúde. No entanto, a sua importância da exposição a longo prazo não pôde ser verificada. Estudos com imagens funcionais do cérebro e de termografia infravermelha profunda têm mostrado que não há nenhum aquecimento significativo causado diretamente pela exposição à RF  sobre o osso ou no cérebro.

Na chamada "síndrome de hipersensibilidade à RF", 4-5% da população relata serem sensíveis aos campos de RF, sendo que alguns destes indivíduos intolerantes relatam sintomas de má saúde e uma série de sintomas subjetivos angustiantes durante e após o uso de telefone celular e de exposição a outros dispositivos emissores de radiofreqüência, ou estar perto de um local de antena RF. Estes sintomas são bastante inespecíficos e estão presentes em muitas doenças, tais como sintomas de resfriado e gripe (dor de cabeça, náuseas, fadiga, dores musculares, mal-estar, etc.) No entanto, vários estudos, revisões sistemáticas e meta-análises, nos últimos 15 anos, concluiram que a hipersensibilidade e os sintomas observados não têm correlação com a exposição à RF dos indivíduos. Não existe actualmente qualquer base científica para caracterizar hipersensibilidade à RF como uma síndrome médica.

Pode-se concluir, a partir de estudos experimentais humanos que as atuais evidências baseadas em ciência apontam não haver efeitos adversos nos seres humanos abaixo dos limiares térmicos, sem influências perigosas sobre o bem-estar e estado de saúde dos usuários e não usuários de telefones celulares e as pessoas que vivem perto de estações rádio-base, e que não existe nnenhuma evidência convincente para efeitos adversos cognitivos, comportamentais e neurofisiológicos e outros efeitos fisiológicos.

Descarregar Estudos Biológicos: Estudos Experimentais em Humanos (Português, formato PDF, 140K)

Campos Eletromagnéticos e Saúde Humana