Objetivos > A Revisão Científica > Efeitos Biológicos > Estudos Epidemiológicos

Estudos Epidemiológicos


 No que diz respeito à exposição da comunidade a partir de antenas de estações rádio-base, existe um consenso científico de que esses níveis são milhares de vezes abaixo dos padrões internacionais de segurança, mesmo a curtas distâncias das antenas. Os poucos estudos epidemiológicos publicados, com um grau mínimo de qualidade aceitável não demonstraram quaisquer efeitos claros da exposição à RF na morbidade, mortalidade, efeitos sobre o bem-estar e o estado de saúde de grupos populacionais que vivem perto de fontes de RF. Estudos de longa duração estão faltando, no entanto. Além disso, é difícil separar a exposição às estações de base e dos telefones celulares dos de outras fontes, tais como rádio e televisão, com algum grau de precisão.

Por outro lado, um número muito maior de estudos epidemiológicos, investigando os possíveis efeitos da exposição à RF de usuários de telefones celulares foram publicados. Muitos deles têm uma boa qualidade metodológica e um grande número de sujeitos. Embora em alguns grandes estudos de coorte não tenham sido detectados maiores riscos para os usuários de telefones celulares por um período de até 15 anos, quando comparados aos não-usuários, para uma série de resultados, incluindo tumores malignos e benignos do sistema nervoso; um pequeno número de estudos epidemiológicos restritos têm contestado esses resultados para alguns tumores, entre os usuários pesados e de longo prazo, no lado mais utilizado da cabeça. Maiores e melhores estudos controlados, tais como INTERPHONE (um estudo colaborativo internacional, que envolveu 16 estudos de caso-controle melhor controlados em 13 países diferentes), geralmente relataram falta de associação estatística, exceto para o discutível risco ligeiramente maior de gliomas e neuromas acústicos para usuários com mais de 10 anos de uso. Não há estudos epidemiológicos com exposições de longa duração superior a 20 anos que tenham sido publicados até o momento, bem como nenhum estudo abordando os riscos à saúde do uso do telefone celular por crianças e adolescentes.

Os estudos epidemiológicos de associação entre a exposição das populações a RF de telefones celulares ou estações rádio-base e vários outros problemas de saúde, como doenças neurodegenerativas, doenças cardiovasculares, catarata, alterações de saúde reprodutiva, mudanças de comportamento e sintomas inespecíficos, etc, resultou em sua maioria sem  associações estatisticamente significativas.

Além disso, há um grande número de dificuldades metodológicas em estudos epidemiológicos de exposição à RF de baixo nível, incluindo vários tipos de vieses que são difíceis de identificar e compensar.

Concluímos, portanto, que os estudos epidemiológicos publicados até agora não mostraram qualquer efeito adverso sobre a saúde de tamanho considerável, incontestável e reprodutível, e que inúmeras falhas metodológicas, com apenas os poucos resultados até agora analisados, não permitem conclusões definitivas, sobretudo no que diz respeito às crianças e à exposição contínua por períodos superiores a 20 anos.

Descarregar Efeitos Biológicos: Estudos Epidemiológicos (Português, formato PDF, 324K)

Campos Eletromagnéticos e Saúde Humana